Solução para cadeia de suprimentos – Segmento Farma

BLOG

HOME / Solução para cadeia de suprimentos – Segmento Farma
Solução para cadeia de suprimentos – Segmento Farma Solução para cadeia de suprimentos – Segmento Farma

Solução para cadeia de suprimentos – Segmento Farma

por Marcos Rogério Boaretto / 06 ago, 2018

Extenso conjunto de empresas tem suas atividades iniciadas na produção de insumos.

Fornecedores diretos e indiretos estão ligados à indústria química e farmoquímica, e estima-se que a indústria brasileira congregue cerca de 600 empresas, entre laboratórios, importadores e distribuidores.

Ainda que muitas empresas farmacêuticas se utilizem de expedição própria, o operador logístico vem assumindo uma grande importância no mercado, com suas soluções para cadeia de suprimentos. Com uma rede de mais de 70 mil farmácias e drogarias, um movimento marcante ocorre no varejo farmacêutico, consolidando grandes alianças de redes farmacêuticas. Hoje 14mil unidades pertencem a 28 empresas e respondem por 75% de todas as vendas.

Apesar de um número bastante restrito, já temos medicamentos sendo vendidos através de comércio eletrônico e via importação direta de pessoas físicas. Regulamentados pela ANVISA e através da RDC 44/2009 e das farmácias para oferecer produtos na Web, as empresas devem possuir loja física e fornecer nome e telefone de contato de um farmacêutico de plantão para atendimento aos usuários.

Hospitais e clínicas constituem um elo importante na solução para cadeia de suprimentos, ou seja, na dispersão de medicamentos para população. De acordo com o Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde (CNES), a rede hospitalar brasileira congrega mais de 11 mil estabelecimentos distribuídos da seguinte forma: 6.422 hospitais gerais e especializados, 774 unidades de pronto socorro e 4.346 policlínicas. Deste total, mais de 53% correspondem a estabelecimentos privados de saúde, 14% são entidades filantrópicas e 33% são estabelecimentos públicos.

A cadeia produtiva da indústria farmacêutica constitui-se da etapa química, em que são sintetizados os fármacos e os aditivos, e da etapa farmacêutica na qual se produz o medicamento final. A etapa de síntese química utiliza como insumos produtos gerados na indústria química básica e é realizada geralmente em grande número de etapas intermediárias, que podem ultrapassar 20 em alguns casos. Cada uma dessas etapas gera produtos purificados, para os quais há oferta de mercado e que servem como matérias-primas nas etapas seguintes da síntese. Portanto, a síntese de um princípio ativo pode ser iniciada em qualquer um desses estágios, com a aquisição do produto intermediário externo, e tornar-se consequentemente, mais ou menos complexa, sempre com a ajuda de uma solução para cadeia de suprimentos.

As empresas farmacêuticas podem ser integradas ou não em toda a cadeia produtiva, terceirizando parte ou totalidade da produção química, mas possuem em geral a capacitação técnica para realizar essas atividades e constituem o elo de comando, pois determinam a demanda do tipo e das quantidades de fármacos e aditivos que serão consumidos.